segunda-feira, 20 de agosto de 2007

Algumas recordações

Foto tirada no Chimbete, à Porta de Armas

No mesmo local, uma campa de um Guerrilheiro cubano morto em combate no ano de 1968.
Inscrição na lage: "AQUI JAZ UM GUERRILHEIRO CUBANO, MORTO EM 22/12/68. QUE A TERRA LHE SEJA LEVE E O CIMENTO TAMBÉM. CCAÇ 2356."



2 comentários:

Anónimo disse...

Olhando esses campas deixadas pelas matas, faz-me recordar um pouco o relato de Camões sobre o Escorbuto, e apetece-me dizer:

Verdade, Camaradas!
Sangamongo, Chimbete, Sanga Planície, Miconje e Necuto…, tantos lugares de desterro em que a morte espreitava.
Em que em doenças e combates, muitos a vida desampararam, muitos em terra estranha e alheia, o corpo e alma, para sempre sepultaram.
Quem haverá que, sem o ver, o creia? Que tão disformemente, ali, as doenças e a morte surgia, e não havendo abertura politica sobre a independência de África, o corpo e a vida, ali, apodrecia.


E em insólitas sepulturas, deixamos para sempre os companheiros, que em qualquer picada, em qualquer desventura, foram sempre connosco: destemidos - aventureiros.
E quão fácil era ao corpo a sepultura, que qualquer floresta, qualquer outeiro, longínquo…, de camaradas nossos, recebeu a terra os seus Ilustres ossos.

Eu, talvez bafejado pelo sopro da sorte - sobrevivi - mas senti no corpo e na alma o fel amargo da morte…

Um grande abraço do camarada: Conceição.

Ivo Freitas disse...

Jovens que eramos, fomos atirados e não só, sem saber o nosso destino, partir-fomos, viemos-chegamos, honrar aqueles que tombaram,que jovens eles eram! Mas tombaram ao serviço de uma Pátria, foi-se a vida há que honrar esses jovens!
E os jovens que chegaram, hoje sâo homens vividos, chefes de familia,mas continuam jovens de espirito!